Aquela casa – avaliação envolve sentimento

Mesmo depois de tantos anos trabalhando com avaliações imobiliárias, percebo que sempre há o ‘novo’.  E quanto mais o tempo passa, mais eu aprendo com o dinamismo do nosso trabalho. Uma avaliação nunca é igual a outra, pode ser no mesmo bairro, no mesmo condomínio, até no mesmo prédio, porém cada uma tem a sua peculiaridade.

E não me refiro somente à questão do imóvel avaliando, mas a tudo o que envolve este processo: a maneira como abordamos o zelador ou o porteiro, a conversa com o cliente, as pessoas que Deus vai colocando no nosso caminho. Isso faz o nosso coração palpitar, faz o nosso olhar percorrer todas as partes e entender o quanto somos privilegiados por termos uma profissão tão entusiasmante.

Em um desses trabalhos, eu presenciei algo incrível. Fui contratada para fazer uma avaliação. Depois que o orçamento foi aprovado, agendei a vistoria. No dia e hora marcados, eu estava lá. De imediato, já percebi que a cliente era uma pessoa ‘do bem’: uma senhora falante e serena, com olhar gentil, proferia palavras doces e sempre muito atenciosa.

Ela começou a me contar a história do imóvel e eu a ouvi com toda atenção. Nessas horas, não tem como sermos frios e diretos e já começarmos a fazer fotos, afinal trata-se da vida da pessoa. E a história de Sofia era comovente. Sua casa fora construída com muito carinho, cada detalhe foi pensado. Por isso, naquele momento, me mantive totalmente concentrada na conversa.

A cliente me contou sobre as escolhas para a construção da casa, os cuidados que teve; salientou que fez tudo pensando no bem-estar de sua mãe, que estava com a saúde fragilizada pela idade avançada. Mas o que Sofia não imaginava, segundo ela mesma, é que essas escolhas que fizera em função da sua mãe viriam a ser úteis para ela mesma, pois um problema de saúde a deixou também debilitada.

O que mais me surpreendeu foi a maneira como essa cliente encarou tudo, demonstrando sempre muita sensatez em suas palavras. Me disse que a mãe falecera, mas que era grata por ter convivido com ela por tanto tempo. Quanto à sua saúde, narrou que se sentia bem, com os cuidados e o tratamento, superou tudo.

Aí eu pergunto a você: como ser indiferente a uma história dessa? Como não parar para ouvir uma cliente que está ali diante de você querendo contar a sua história?

Por isso, acredito firmemente que o trabalho com avaliações de imóveis é algo antes de tudo subjetivo, humano. Ninguém me convence de que uma máquina ou uma ferramenta possa substituir o trabalho humano nas avaliações. O nosso papel enquanto Peritos vai muito além de fotografar, fazer cálculos e determinar valores. Isso qualquer um faz! A empatia, o estar presente, o saber ouvir o cliente, isso é o que faz a diferença na nossa profissão.

O final dessa história eu conto para vocês na próxima crônica! Fiquem ligados nas publicações do blog.

Silmara Gottardi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s