A magia do conhecimento – um dia de perito avaliador na biblioteca pública

Eu estava apenas começando nas avaliações de imóveis, tudo era novidade e aprendizado. E de repente, surgiu um serviço inusitado. Como trabalhava com Lucca, me sentia tranquila pela sua experiência, mas até para ele aquele foi um trabalho surpreendente.

Houve uma denúncia de uma avaliação ‘encomendada’, e caberia a nós refazer o trabalho. Até aí tudo bem. Porém, o que nos chamou a atenção foi a data da avaliação: década de 80. Nós teríamos que reavaliar um imóvel que fora avaliado há quase 30 anos. E mais ainda: precisaríamos chegar ao valor da época e não ao atual.

De início, eu e Lucca nos sentimos um pouco perdidos. Como conseguiríamos chegar ao valor daquele imóvel, depois de tantos anos? Enfim, tomamos a decisão e aceitamos a empreitada, encaminhamos o orçamento. Alguns dias depois, veio a resposta de que havia sido aprovado. Era chegada a hora de começarmos o trabalho.

Agendamos a vistoria e na data e horário marcados nos dirigimos ao local. Fotografamos o imóvel, anotamos algumas informações, colhemos a documentação e partimos para o que seria uma missão bem complexa. Afinal, desta vez, a aventura não estava na vistoria, mas em descobrir o valor certo daquele imóvel.

Entre uma conversa e outra, eu e Lucca tivemos a ideia de fazer uma pesquisa das amostras. O caminho seria buscar anúncios da época da avaliação e venda do imóvel. Descobrimos que a Biblioteca Pública disponibilizava um excelente acervo de arquivos de jornal. Então, resolvemos dividir as tarefas: eu iria até a Biblioteca Pública e Lucca faria a outra parte.

E assim foi. Chegando lá, expliquei ao bibliotecário o que eu precisava e ele gentilmente me informou que não havia mais arquivos originais dos jornais daquela época em papel, pois eram muito antigos, mas havia em microfilme[1]. Aquilo era algo totalmente diferente do meu trabalho – mais uma novidade.

Estar em uma biblioteca foi mágico, poder ver as enciclopédias, os materiais, tanta história em cada canto; sentir o cheiro dos livros, o encantamento daquele espaço de conhecimento. Fiquei fascinada com a organização e a beleza do local.

O bibliotecário me levou até o aparelho e me ensinou como operar o microfilme. Com todo cuidado e com as recomendações para zelar pelo material, parti em uma emocionante viagem através do tempo. Apesar do meu trabalho limitar-se à coleta das amostras, mal pude me conter: a curiosidade de mexer naquele aparelho, a vontade de ler o jornal na íntegra. Mas eu precisava focar na busca das amostras. Foram algumas horas de estudo e muita concentração; não vi o tempo passar. Consegui várias amostras, agradeci ao funcionário e fui embora.

Sai dali pensando como o trabalho com as avaliações de imóveis é encantador. Desde a contratação, a gente já fica imaginando como será o próximo serviço – e posso garantir que nunca é igual. Algumas vezes, é mais complexo, outras vezes, desafiador. Mas em geral, não há trabalho difícil, seja pela experiência que se vai adquirindo ao longo do tempo, seja pela certeza de que cada dia traz um aprendizado, uma conquista, uma realização. O fundamental é que se mantenha sempre a seriedade e a convicção de que todo novo trabalho exige esforço do profissional, afinal o cliente merece e espera esse retorno.

Esse foi um dos trabalhos mais incríveis que eu fiz, bem diferente do habitual. Fiquei imaginando o que aconteceu com o perito que fez a avaliação ‘encomendada’. Depois de quase 30 anos, houve a denúncia e aquele profissional teve que se explicar diante da justiça. Aliás, não teve o que explicar, pois ficou provado que se vendeu.

Portanto, o meu conselho é que você, perito avaliador, faça sempre o que é certo independentemente se vai ser favorecido ou não, pois responderá por toda vida pela avaliação que fizer. Não pense só no agora, mas no futuro, nas consequências, e execute seu trabalho com excelência.

Silmara Gottardi


[1] Microfilme é uma mídia analógica de armazenamento para livros, periódicos, documentos e desenhos. A sua forma mais padronizada é um rolo de filme fotográfico 35mm preto e branco ou colorido. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Microfilme. Acesso em dezembro de 2020.

Foto: Facebook BPP

3 comentários em “A magia do conhecimento – um dia de perito avaliador na biblioteca pública

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s